Ijuí/RS - Sexta-feira, 15 de Outubro de 2021
Manchetes
Muro construído ao lado do Ginásio Municipal será derrubado
Prefeito fala em investimentos para ações estruturais e diz que “parque de máquinas recebido por sua administração é uma vergonha”.
Lixão clandestino na região do Tomé de Souza indigna cidadão de Ijuí
Levantamento revela que mais de 500 crianças com até 6 anos ficaram órfãs no Estado devido a Covid-19
Guias do Trem das Missões passam por treinamento
Pró Audi realiza a Expo Audi oferecendo promoções para seus clientes
SMS dá sequência a aplicação da segunda dose da Astrazeneca e da Pfizer
Comissão de triagem divulga músicas selecionadas para o 10° Canto de Luz e 6° Lamparina
Mesa de Bar da Iguatemi FM volta ainda mais Espetacular
Educação Municipal: “Saímos de uma rede analógica para uma rede tecnológica”, diz secretário Cláudio Souza
Ijuí-RS
O tempo agora
7 de outubro de 2021

Produção leiteira de Augusto Pestana é a maior do Estado

Com um rebanho leiteiro de 10.500 cabeças e produção média diária de 25 litros de leite por animal, “com alguns animais chegando a produzir até 50, 60 litros por dia”, o município de Augusto Pestana atingiu uma marca importante no Estado, anunciada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta semana.

O levantamento do instituto apontou que Augusto Pestana é o maior produtor de leite do Estado do Rio Grande do Sul – posição antes ocupada pelo município de Santo Cristo que tem aproximadamente 400 propriedades rurais atuando na produção.

O município que tem pouco mais de 8 mil habitantes tem, atualmente, 250 propriedades rurais que atuam e entregam sua produção leiteira para a indústria, o que na opinião do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais Volnei Hasse, configura uma cultura, uma aptidão dos pestanenses para a produção leiteira.

Ele lembrou que o município chegou a ser quinto colocado do Estado, em 2019 subiu para o segundo lugar e agora atingiu a posição primeira do Estado e que isso tem a ver com o investimento dos produtores em conhecimento, melhoramento da genética e a tecnologia empregada e média maior de produção na atividade do leite.

“Apesar de vários produtores terem parado com a produção em escala industrial, os que continuam mantem uma média muito boa de produção diária em animais basicamente das raças Gersey e Holandesa. Os produtores sempre foram atrás de informação visando melhorar a produtividade na propriedade”, pontuou.

Outro fator que tem influência preponderante é o fato de os produtores serem jovens, ou seja, ocorre a sucessão da mão de obra na propriedade. Conforme o presidente sindical são filhos dos produtores que saíram de casa, estudaram e voltaram para aplicar o conhecimento adquirido na produção de leite. “Eu mesmo sou exemplo disso como filho de produtor e assim há muitos agrônomos, médicos veterinários e técnicos na atividade agrícola que estão investindo nas suas propriedades e além de aumentar a produção de leite, estão gerando empregos”, frisa.

Volnei Hasse salientou que a atividade leiteira é trabalhosa, mas com persistência e uma boa logística para entrega da produção é possível superar os desafios diários da atividade e ganhar até 30 centavos a mais por litro, dependendo o volume da produção entregue a indústria.

Fonte: Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019