Ijuí/RS - Terça-feira, 22 de Setembro de 2020
5 de agosto de 2020

Número de candidatos deve crescer bem mais do que de eleitores nas Eleições 2020

Os eleitores brasileiros terão de escolher prefeitos e vereadores neste ano considerando um volume muito maior de candidatos em relação a eleições anteriores, de acordo com estimativa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgada nesta quarta-feira, 5.

 

O TSE prevê que mais de 700 mil políticos sejam candidatos nas eleições de novembro. No último pleito municipal, em 2016, o número foi 46% menor: 479,9 mil. Enquanto isso, o eleitorado apto a votar cresceu só 2,66% entre uma eleição e outra.

 

O aumento, de acordo com o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, deve ocorrer por causa do fim das coligações. “O aumento relevante do número de candidatos tem relação sobretudo com a vedação pelo Congresso, também em boa hora, das coligações proporcionais. Portanto, todos os partidos estão lançando candidaturas próprias”, disse o ministro em entrevista coletiva de imprensa.

 

Esta será a primeira eleição municipal sem as coligações, regra que permitia partidos formarem blocos para o lançamento de candidatos. Formalmente isolados neste ano, cada legenda poderá lançar mais postulantes às vagas das Câmaras Municipais em comparação com anos anteriores.

 

Neste ano, com uma marca de 150 milhões de eleitores no País, o Brasil é a “quarta maior democracia do mundo”, classificou Barroso, atrás de Índia, Estados Unidos e Indonésia. Nas eleições municipais de 2020, 147.918.483 brasileiros estarão aptos a votar (habitantes do Distrito Federal, de Fernando de Noronha e residentes no exterior não votam).

 

Entre os eleitores autorizados a ir às urnas, as mulheres são maioria e superam em mais de 7 milhões a quantidade de homens votantes: 52,49% do sexo feminino e 47,48% do sexo masculino. Há ainda um volume de 0,03% de eleitores que não informam o sexo no título de eleitoral, conforme aval da legislação. Nas eleições de novembro, 7.645 pessoas estão aptas a votar com o nome social, o que beneficia, por exemplo, homens e mulheres trans.

 

Além do fim das coligações, a cláusula de barreira também deve impactar no número de partidos políticos no País nos próximos anos, disse Barroso. Atualmente, 33 legendas estão oficializadas no TSE. Existem, porém, outros 84 partidos em fase de formação à espera de um carimbo da corte.

 

Recentemente, partidos menores foram incorporados por legendas maiores em função da cláusula de desempenho, que limita a distribuição do fundo partidário e do fundo eleitoral conforme o tamanho das bancadas no Congresso Nacional. A intenção é proibir repasses de recursos públicos para siglas nanicas.

 

Fonte: Rádio Repórter - AE
voltar
© Copyright 2019