Ijuí/RS - Sexta-feira, 15 de Outubro de 2021
Manchetes
Staff presidencial já está em Ijuí para a homenagem a Mourão no dia 19
Muro construído ao lado do Ginásio Municipal será derrubado
Prefeito fala em investimentos para ações estruturais e diz que “parque de máquinas recebido por sua administração é uma vergonha”.
Lixão clandestino na região do Tomé de Souza indigna cidadão de Ijuí
Levantamento revela que mais de 500 crianças com até 6 anos ficaram órfãs no Estado devido a Covid-19
Guias do Trem das Missões passam por treinamento
Pró Audi realiza a Expo Audi oferecendo promoções para seus clientes
SMS dá sequência a aplicação da segunda dose da Astrazeneca e da Pfizer
Comissão de triagem divulga músicas selecionadas para o 10° Canto de Luz e 6° Lamparina
Mesa de Bar da Iguatemi FM volta ainda mais Espetacular
Ijuí-RS
O tempo agora
24 de setembro de 2021

HCI realiza procedimento inédito para tratamento de nódulos na tireóide

Mais um marco histórico foi atingido pelo Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) nessa sexta-feira, com a realização de procedimento inédito no Noroeste, e que havia sido feito somente uma vez no Estado, em Lajeado. Com isso, o HCI desponta ainda mais na área da Saúde ao oferecer serviços de ponta a seus pacientes.
Realizada na tarde de ontem, em duas pacientes, pelo médico cirurgião de cabeça e pescoço do HCI, Robledo Alievi, a ablação por radiofrequência é um procedimento considerado minimamente invasivo e é uma das recentes alternativas para tratar nódulos de tireoide sem cirurgia.

Alievi, segundo cirurgião a realizar o procedimento no Rio Grande do Sul, teve como tutor o médico cirurgião de cabeça e pescoço, Gustavo Philippi de Los Santos, pioneiro em cirurgia de tireoide com método que não deixa cicatriz.

“O procedimento atingiu todas as nossas expectativas. É importante frisar que chegar a um momento de fazer essa abordagem terapêutica invasiva, mas menor do que um procedimento cirúrgico, não é simplesmente ter a vontade, marcar, alguém te ensinar e você fazer. Esse é o ápice de uma jornada que teve início há dois anos. A técnica começou no Brasil em 2017, tímida, e em 2019, percebi que era algo que tinha bastante futuro e perspectiva e era necessária a aquisição de conhecimento até chegar ao momento de poder aplicá-la. Em 2019, comecei a me preparar, fazendo cursos de ecografias, punção, e a aplicar os exames e procedimentos em nível de consultório, e quando me senti preparado para efetivamente fazer o procedimento, a pandemia atrasou um pouquinho logicamente, mas nem tanto, e agora achamos que era o memento de partir para a prática, pois estávamos com uma experiência boa nos métodos necessários. Transcorreu tudo muito bem. O doutor Gustavo foi um ótimo orientador, eu já tinha participado de procedimentos no mês passado, em Florianópolis, acompanhando-o. Os casos selecionados foram bons para uma primeira abordagem. O anestesista foi o doutor Diógenes Bortolini, que foi muito bem, porque o procedimento não é realizado com anestesia geral, é apenas uma sedação, e tem um jeito certo para fazer, e ele foi muito habilidoso, excelente. O tempo nos procedimentos foi adequado, e as pacientes já deram alta do hospital”, explica o doutor Robledo.

Nesse procedimento, uma agulha é inserida até o nódulo, com o auxílio do aparelho de ultrassom, sendo posteriormente ligada a um aparelho de radiofrequência para queimá-lo, causando sua diminuição após alguns meses. É um procedimento ambulatorial que não necessita de anestesia geral e o paciente é liberado poucas horas depois, podendo retomar às suas atividades diárias.

“O HCI não mediu esforços na questão estrutural de fornecer o que precisávamos, uma sala adequada, tempo, material deslocado de outros setores para podermos realizar o procedimento, nos cedeu o aparelho de ultrassom novo, recentemente adquirido, e de excelente qualidade, elogiado pelo doutor Gustavo pela imagem. Foi tudo muito de acordo com o que imaginávamos, e dentro do contexto do Hospital é algo que vemos há muito tempo no HCI, que sempre busca coisas novas, propiciar a seu corpo clínico tudo que for necessário para que a gente possa estar sempre na ponta em relação aos tratamentos médicos”, destaca o médico Robledo.


Também acompanhou o procedimento, o médico cirurgião de cabeça e pescoço, Murilo de Oliveira, recentemente formado no Hospital Santa Rita, de Porto Alegre. “Ele foi residente de Cirurgia Geral no HCI e voltou a meu convite para trabalhar conosco. Ele não participou efetivamente do procedimento, porque a atuação é individual basicamente, mas acompanhou, dentro do contexto de que estamos estabelecendo uma parceria”, acentua.

A tireoide é uma das maiores glândulas do corpo humano e tem forma de borboleta (com dois lobos), localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo da região conhecida como Pomo de Adão – ou popularmente, gogó -, sendo responsável por regular a função de órgãos importantes como o coração, o cérebro, o fígado e os rins.
Conforme a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, estima-se que 60% da população brasileira tenha nódulos na tireoide em algum momento da vida. O que não significa que sejam malignos – somente 5% são cancerosos. O reconhecimento deste nódulo precocemente pode salvar a vida da pessoa.

Fonte: Assessoria de Imprensa/Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019