Ijuí/RS - Sexta-feira, 01 de Julho de 2022
Manchetes
Estado atinge número de 60 mortes por dengue
Busnello apresenta ante projeto que prevê parcelamento de dívidas dos usuários do Demei
Leoveral de Oliveira é reconduzido à presidência da Associação dos Aposentados de Ijuí
Finais do Futsal Municipal terão transmissão da Rádio Repórter
Conclusão de obras da Corsan possibilita asfaltamento de trecho da rua Jorge Leopoldo Weber
Mais de duas toneladas de alimentos impróprios para consumo são apreendidas em operação em Ijuí
Associação Cultural Canto de Luz define nova diretoria
Sindilojas realiza workshop sobre a Lei de Proteção de Dados
Educação, prevenção e Inclusão. Proerd encerra ciclo de palestras na Apae de Ijuí
Homem acusado de furto mão grande e que estava foragido é preso pela BM
Ijuí-RS
O tempo agora
8 de junho de 2022

HCI realiza primeiro transplante pós pandemia

Cirurgiões médicos do Hospital de Caridade de Ijuí (HCI) realizaram com sucesso o primeiro transplante renal pós-pandemia, sob a coordenação do médico nefrologista, e presidente da Instituição, Douglas Prestes Uggeri, marcando o retorno dos procedimentos e reacendendo a esperança dos pacientes com doença renal crônica, que aguardam por um doador.

Depois de ser diagnosticado com insuficiência renal crônica há 7 anos, João Carlos Aires Morais, 66 anos, aposentado e residente no Distrito de Santana, aguardou por cinco anos pelo seu transplante renal, até que em abril deste ano recebeu a tão esperada ligação de que o procedimento seria realizado no dia 3 de maio. Encerrou-se ali um ciclo de longa espera, marcado por muitos desafios e superações, que teve início em novembro de 2015, quando ao receber os exames exigidos para realização do transplante, então marcado para o dia 8 de dezembro daquele ano, foi identificado um nódulo na próstata.

“Quando me falaram sobre a necessidade de passar primeiro por uma cirurgia para retirada do nódulo, pensei que de sete meses a um ano estaria liberado para o transplante, mas não é assim que acontece. Esse tipo de procedimento, realizado no dia 16 de fevereiro de 2016, pelo urologista do HCI, Gilnei Penno, exige o acompanhamento por cinco anos, para ter a certeza de que está tudo bem com o organismo”, conta seu João, que ainda em novembro de 2015 enfrentou um grave problema. “Minha fístula estourou e tive que vir imediatamente para o HCI. Amarramos um cadarço em meu braço e quando cheguei fui direto para a UTI, e foi o que me salvou.” A esposa, Maria Ivone Morais, acrescenta que foram momentos de tensão e muita fé, pois o prognóstico não era nada favorável. “Sentimos medo de perdê-lo. Mas, com muita força e oração, ele venceu mais este desafio.”

Em fevereiro de 2021, seu João foi liberado pelo médico Penno, para receber o rim de sua irmã, Lenira Aires Morais, que a esta altura já estava bastante ansiosa com a espera. Emocionada, ela relata que, tão logo soube da necessidade do transplante, decidiu fazer a doação. “Nossa família é muito unida, cuidamos uns dos outros, nos amamos e amamos estar perto”, afirma.

Entretanto, com o mundo enfrentando a pandemia de covid-19, que teve seu pico no País no primeiro trimestre de 2021, o HCI teve que adequar toda sua estrutura para receber os pacientes graves acometidos pelo vírus e o médico Uggeri decidiu pela não realização do transplante. “Precisamos avaliar se todas as condições estão favoráveis à realização do procedimento, que é complexo, e não podemos colocar os pacientes em risco, é preciso ter segurança total no ambiente”, frisa o nefrologista.

Em novembro de 2021, com a redução dos casos de covid-19 e a flexibilização das medidas preventivas ao contágio e propagação do vírus, o transplante foi agendado para o dia 22 de fevereiro de 2022, não sendo possível naquela ocasião. E, no dia 3 de maio, foi realizado o transplante renal, o primeiro na Instituição de Saúde, após os dois anos de período pandêmico.

Todas as equipes da UTI Adulto, Unidade de Internação e da Hemodiálise tiveram participação direta ou indireta no tratamento e recuperação dos pacientes, assim como a médica residente em Clínica Médica, Inoã Henrique de Sousa Farias, que acompanhou o caso de seu João juntamente com o médico Uggeri.

Acompanhado da esposa e da irmã, seu João se despediu da equipe da Hemodiálise na tarde de ontem. O início de um novo capítulo em sua história. “Foram sete anos, 7 meses e 17 dias realizando hemodiálise. Agora vou me cuidar e viver, aproveitar muito com minha família”, comemora seu João.

Fonte: Assessoria de Imprensa/Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019