Ijuí/RS - Domingo, 07 de Agosto de 2022
Manchetes
3° suspeito de homicídio por tráfico de entorpecentes e mulher que estava foragida são presos pela Brigada Militar
29º BPM prende 2º suspeito de homicídio, por tráfico de entorpecentes em Ijuí
29º BPM prende homem por tráfico de entorpecentes em Ijuí
Prerrogativas da advocacia e lei do abuso de autoridade foi tema de evento na OAB de Ijuí
Festival do queijo e do vinho do Rotary tem todos os ingressos vendidos
Câmara inicia a implantação do Processo Legislativo Eletrônico
Igor Pavan é mais um contratado para defender o gol do São Luiz
HCI tem recursos garantidos pelo Ministério da Saúde para aquisição de novo Acelerador Linear
Médico oncologista de Ijuí participará de congresso europeu sobre diagnostico e tratamento do Câncer
Mulher é atingida com 12 golpes de faca em tentativa de feminicidio registrada em Ijuí
Ijuí-RS
O tempo agora
23 de maio de 2022

Gasto com sistema prisional é quatro vezes maior que o investido em educação básica no Brasil

Brasil investe mais em presídios na comparação com gastos por aluno de escolas públicas — Foto: Marco Ankosqui/Agência O Globo

O Brasil investe quatro vezes mais no sistema prisional em comparação com a educação básica, de acordo com um levantamento feito pela  Universidade de São Paulo (USP). Cada preso custa, em média, R$ 1,8 mil por mês, enquanto um aluno de escola pública nesta fase de ensino recebe R$ 470 em investimentos mensais.

O levantamento utiliza dados de 2022 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O comparativo dos dados é feito por pesquisadores da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP. A instituição realizou uma pesquisa pioneira que identificou a falta de transparência em relação a informações relacionadas aos gastos com presos nas penitenciárias brasileiras.

Desde que o estudo foi realizado, em 2016, os dados passaram a ser atualizados mensalmente pelo CNJ. Um dos autores da pesquisa, o professor Cláudio do Prado Amaral, afirma que é uma “triste constatação” a discrepância de gastos.

Para Amaral, o comparativo torna-se mais preocupante quando o nível de ressocialização dos encarcerados também é analisado. “Quando nós pensamos que investimos muito em sistema dessocializador, em comparação ao que investimos no que evita a prisão, que é a educação, a gente tenta chamar a atenção sobre esse grande paradoxo, essa opção de política criminal que o Brasil tem feito há décadas” afirma o docente.

Fonte: Agência O Globo/Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019