Ijuí/RS - Domingo, 07 de Agosto de 2022
Manchetes
3° suspeito de homicídio por tráfico de entorpecentes e mulher que estava foragida são presos pela Brigada Militar
29º BPM prende 2º suspeito de homicídio, por tráfico de entorpecentes em Ijuí
29º BPM prende homem por tráfico de entorpecentes em Ijuí
Prerrogativas da advocacia e lei do abuso de autoridade foi tema de evento na OAB de Ijuí
Festival do queijo e do vinho do Rotary tem todos os ingressos vendidos
Câmara inicia a implantação do Processo Legislativo Eletrônico
Igor Pavan é mais um contratado para defender o gol do São Luiz
HCI tem recursos garantidos pelo Ministério da Saúde para aquisição de novo Acelerador Linear
Médico oncologista de Ijuí participará de congresso europeu sobre diagnostico e tratamento do Câncer
Mulher é atingida com 12 golpes de faca em tentativa de feminicidio registrada em Ijuí
Ijuí-RS
O tempo agora
12 de julho de 2022

Erro de sistema gera desconforto à administração na saúde pública

Foto: Arquivo Rádio Repórter

O Secretário de Saúde do município de Ijuí Márcio Strassburguer avaliou em entrevista no Fatorama como positivo até aqui o trabalho que vem sendo desenvolvido junto ao Corujão da Saúde. Salientou que há uma satisfação com a evolução do atendimento no horário alternativo, mas que ainda há necessidade de se evoluir para mudar alguns hábitos já que a UPA ainda é o destino preferencial de boa parte da população mesmo, os casos mais leves e que poderiam ser acessados no Corujão mais rapidamente.

No entanto, disse que se conseguiu equalizar, equilibrar a maior parte dos embates que estavam ocorrendo na Unidade de Pronto Atendimento, principalmente na questão atinente ao tempo de atendimento.

“Não estamos onde gostaríamos de estar, mas sabemos que o fato de estarmos no meio de um inverno estranho e sabermos que é um período mais complexo devido às doenças respiratórias características da época e da região; estamos disponibilizando estes serviços que somados – entre CT, Corujão e UPA chega a cerca de 400 atendimentos por dia”, avaliou.

Sobre fala da vereadora Bruna Gubiane na sessão legislativa dessa segunda-feira de que teria uma denúncia e levaria ao Ministério Público devido a uma suposta orientação do secretário da saúde para médicos quanto ao limite de até 8 exames por pacientes e, além deste número, os pacientes deveriam cobrir os custos na rede privada, Márcio Strassburguer desmentiu.

Explicou que é uma situação que vem tentando resolver a pelo menos duas semanas salientando que há um problema no sistema de geração das solicitações laboratoriais. De acordo com ele, foi feito o movimento contrário buscando dar mais agilidade ao paciente na hora de receber o exame. “O paciente vai para a consulta médica; e antes ele tinha que esperar, passar pela regulação, autorização do exame e só então sair com o exame na mão. Solicitamos ao programador do nosso sistema que fizesse essa liberação no momento da consulta para que o paciente não precisasse esperar; e aí este processo de mudança, reprogramação do sistema, gerou algumas inconformidades que nós não concordamos e aí buscamos tirar o programa do ar e mudar o sistema retroagindo no formato anterior, o que ocorreu neste caso foi um erro técnico do sistema que não pode barrar acesso, bagunçando a prescrição que o médico pode fazer”, disse.

Em relação ao limite de exames dos pacientes quando consultam, destacou que os primeiros oito exames solicitados pelo médico são autorizados automaticamente, os demais há a necessidade da justificativa clínica do profissional médico. Isso ocorre para atender a alguns protocolos, mas lembrou Márcio Strassburguer que isso é uma orientação apenas, uma vez que o médico é autônomo na sua conduta. A partir da justificava do médico o auditor da Secretaria da Saúde avalia e autoriza o exame solicitado. “Não tem movimento nenhum de barrar ou reduzir acessos a exames, muito pelo contrário, a gente quer ampliar o acesso dando mais agilidade, porém nosso sistema não está conseguindo dar conta dessa programação”, sublinhou.

“Já entramos em contato com a empresa e pedimos para retirar a mensagem automática do sistema que não reflete com o que a gente solicitou. Sem dúvida não vamos orientar que quem consulta no serviço público tenha que adquirir no setor privado sua medicação ou exame, muito pelo contrário. O médico justificando clinicamente a necessidade do procedimento vamos autorizar sem problema algum. Já solicitamos correção ao erro de sistema que ocorreu e estamos acompanhando para tentar regularizar isso o quanto antes”, afirmou.

Sobre a situação financeira do HCI e a participação do município de Ijuí na compra de serviços da instituição de saúde, Márcio Strassburguer disse a administração já compra serviços do HCI e o montante é bem significativo. Reiterou que há um convênio em vigor desde o ano passado para realização de cirurgias que repassou R$ 1 milhão para os hospitais  – sugestão da Câmara de Vereadores à época e que foi acatado pelo prefeito Andrei Cossetin. Nos primeiros seis meses deste ano, o município investiu na compra de serviços do Hospital de Caridade cerca de R$ 410 mil para realização de ultrassons, tomografias, e outros diversos exames – comprados via Cisa – do HCI.

“O HCI, assim como o Bom Pastor são prioritários na nossa compra de serviços por serem instituições hospitalares filantrópicas. A ideia é renovar convênios como os que já existem e por exemplo no convênio das cirurgias de cataratas que temos com o Hospital Bom Pastor”, destacou, salientando que “inclusive estamos com um processo de credenciamento na Copam justamente para as instituições hospitalares visando a realização de exames de imagem o que redundará em mais compra de serviços dessas instituições”, concluiu.

 

Fonte: Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019