Ijuí/RS - Sexta-feira, 24 de Setembro de 2021
Manchetes
Secretários de educação da AMUPLAM se encontraram em Condor
Deputado Jerônimo Goergen deixará a Política
Homem com teste positivo para Coronavírus incorre em crime após descumprir isolamento
Panambi segue vacinação nesta sexta-feira contra covid-19
Prefeitura de Ijuí alerta a população sobre obras de esgotamento sanitário
Parecer do Cremers já embasou cerca de 384 decisões judiciais sobre pedidos de liberdade de presos por covid-19
Escola Miguel Burnier tem projeto em andamento para construção de mobiliário especial.
Serviço terceirizado: Corsan fará atualização de cadastro de seus usuários em Ijuí
De Cruz Alta para o Paraná: Dom Adelar Baruffi é nomeado Arcebispo de Cascavel
PRF apreende veículo com mais de 15 mil maços de cigarros em Cruz Alta
Ijuí-RS
O tempo agora
9 de setembro de 2021

Em carta conciliadora à nação, Bolsonaro diz que “nunca teve intenção de agredir poderes”

Foto: Agência Brasil 

O presidente Jair Bolsonaro divulgou nesta quinta-feira (9) um texto intitulado “Declaração à Nação” no qual afirma que nunca teve “intenção de agredir quaisquer dos poderes”. Segundo o texto, “as pessoas que exercem o poder não têm o direito de ‘esticar a corda’, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”.

Em ato político na última terça-feira (7), em São Paulo, Bolsonaro afirmou que não mais cumpriria decisões do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. “Dizer a vocês que, qualquer decisão do senhor Alexandre de Moraes, este presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou, ele tem tempo ainda de pedir o seu boné e ir cuidar da sua vida. Ele, para nós, não existe mais”, declarou Bolsonaro a um público de apoiadores. O presidente da República chegou a fazer uma ameaça ao presidente do STF, ministro Luiz Fux. “Ou o chefe desse poder enquadra o seu [Alexandre de Moraes] ou esse poder pode sofrer aquilo que nós não queremos”.

A divulgação da “Declaração à Nação” foi um conselho a Bolsonaro do ex-presidente Michel Temer. Na manhã desta quinta, Bolsonaro mandou um avião para São Paulo, a fim de buscar o ex-presidente para um almoço no qual discutiram a crise institucional. Temer orientou Bolsonaro a divulgar um “manifesto de pacificação”.

No texto, o presidente credita a crise institucional a “discordâncias” em relação a decisões de Alexandre de Moraes e afirma que essas questões “devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal”.

Durante o encontro, no Palácio do Planalto, Temer promoveu um contato telefônico entre Bolsonaro e Moraes, ministro da Justiça no governo do ex-presidente e indicado por ele para o Supremo Tribunal Federal.

“Quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”, afirmou Bolsonaro na declaração.

“Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”, afirmou o presidente.

Embora tenha feito ataques ao Supremo, Bolsonaro diz no texto que sempre esteve “disposto a manter diálogo” com os demais poderes da República.

Informações dão conta de que a carta a nação foi redigida pelo ex-presidente da República Michel Temer.

Leia a integra do texto divulgado por Bolsonaro:

Fonte: g1.globo.com/Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019