Ijuí/RS - Segunda-feira, 29 de Novembro de 2021
Manchetes
Trabalho prisional na Modulada é case de sucesso a ser implantado em outras casas prisionais gaúchas
Assinado o contrato para obra de pavimentação asfáltica em Coronel Barros
Cronograma de imunização contra a Covid segue na Estação Cultura
“Não podemos encerrar essa linda história que a Expo Ijuí Fenadi tem”, diz presidente da UETI
Quase metade das escolas estaduais da região não tem candidatos a diretor. Eleição ocorre a partir de amanhã
Bazar Solidário do Bom Pastor arrecadou quase R$ 50 mil
Pelo menos 2 mil estudantes das redes Estadual e Municipal estão realizando a prova do Saeb
Defesa das universidades comunitárias será bandeira de Busnello a partir de hoje na Câmara
Ômicrom no Brasil? Brasileiro vindo da África, testa positivo para Coronavirus
Brigada prende 2 por furto de veículo em Catuípe
Ijuí-RS
O tempo agora
21 de abril de 2020

Biólogo de Ijuí manifesta sua visão sobre o momento de Pandemia

Biólogo do município de Ijuí, João Pedro Gesing, trouxe valiosa contribuição para um melhor entendimento do que se passa neste momento de pandemia causada pelo coronavírus. Falando ao Fatorama, disse que algumas atividades sofreram redução devido à necessidade de isolamento de algumas pessoas pertencentes ao grupo de risco.

Ele estima que a pandemia ainda deve avançar, numa curva moderada no Brasil, onde o modelo de enfrentamento se assemelha ao jeito europeu. No entanto, as realidades são diferentes entre as regiões, principalmente no Rio Grande do Sul, que registra poucos casos nas cidades do interior, onde providências como isolamento e redução de fluxo amenizaram os impactos, decisão baseada em métodos científicos, sem grandes aberturas nas medidas já adotadas.

Para Gesing, a vida das pessoas não será mais a mesma após o fim da pandemia, haverá uma outra realidade. Para ele, Ijuí está distante do pico da epidemia, o que para ele é muito bom, pois dá tempo de preparar uma estrutura adequada, novos protocolos de tratamento, enquanto não chega uma vacina específica.

Gesing falou ainda de outro problema que incomoda os frequentadores da praça da República: a infestação de pombas, cuja espécie se reproduz de forma exagerada, exigindo atitudes do poder público. Uma das medidas será o raleio das árvores usadas pelos bandos para se abrigar, disse o biólogo, considerando que as aves devem se alimentar em lavouras ao redor da cidade e voltam apenas para dormir na praça, deixando lá as marcas de sua presença, fato que deixa as pessoas sem poder utilizar bancos e outros espaços, pois estes ficam cheios de fezes, impossibilitando que alguém possa sentar e descansar.

João Pedro acredita que possa estar havendo um pico dessas pombas como ocorreu em 2010 ou 2011 e que talvez elas retornem em seguida aos seus locais de origem.

Fonte: Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019