Ijuí/RS - Terça-feira, 05 de Julho de 2022
Manchetes
Prefeitos da região vão a Brasília pela compensação de valores devido a redução de impostos promovida pelo governo Federal
CNM aponta impacto imediato nas receitas municipais de R$ 73 milhões devido a redução do ICMS
Programa em parceria com a prefeitura busca selecionar famílias para receber crianças em suas casas
Óbito de número 300 por Covid-19 foi registrado em Ijuí
Daniel Franco deixa o comando técnico do São Luiz
8° Edição da Expocelb é lançada em Coronel Barros
Novos ritos na Seplan aceleram processos em prol do desenvolvimento
PC apreende 4kg de Cocaína e 1kg de Crack durante abordagem a veículo
Inadimplência de consumidores do Demei ultrapassa R$ 12 milhões
Municipal de Futsal conhece seus campeões
Ijuí-RS
O tempo agora
16 de março de 2022

BC reajusta Taxa Selic ao seu maior nível em 5 anos. 11,75% foi o 9° aumento consecutivo

Foto: Agência Brasil

Com a guerra na Ucrânia e a pressão da alta dos preços, o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) definiu nesta quarta-feira o novo patamar dos juros básicos da economia brasileira. No nono aumento seguido, a taxa Selic subiu 1 ponto percentual, passando dos atuais 10,75% para 11,75% ao ano, o maior nível desde fevereiro de 2017.

“No cenário externo, o ambiente se deteriorou substancialmente. O conflito entre Rússia e Ucrânia levou a um aperto significativo das condições financeiras e aumento da incerteza em torno do cenário econômico mundial. Em particular, o choque de oferta decorrente do conflito tem o potencial de exacerbar as pressões inflacionárias que já vinham se acumulando tanto em economias emergentes quanto avançadas”, afirmou o Banco Central em nota após a reunião do Copom.

O resultado já era esperado pelo mercado. Isso porque a inflação do país segue alta e dá sinais de que não está sofrendo o impacto dos juros altos, que deveriam tirar recursos do mercado e, assim, baixar os preços.

A trajetória de alta da taxa básica começou em março do ano passado, quando a Selic estava em 2% ao ano, o menor patamar da história, após uma série de reduções iniciada em 2016. Para o fim de 2022, a projeção do mercado é que a taxa alcance 12,25% ao ano. Mas já há analistas que apostam em 13,25%.

Essa é a segunda reunião do Copom em 2022. Na primeira, no início de fevereiro, a taxa subiu 1,5 ponto percentual. Em nota, o Banco Central afirma que o Copom já prevê outro ajuste da mesma magnitude para a próxima reunião. O novo aumento da taxa ficará vigente por ao menos 45 dias, quando os diretores do BC voltam a se encontrar para discutir novamente a conjuntura econômica nacional. A ata detalhada com as razões que motivaram a decisão será publicada na próxima terça-feira.

Fonte: Agência Brasil/Rádio Repórter
voltar
© Copyright 2019