Notícias > Política

25/05/2017
16:16

Governo não vai tolerar desordem em protestos, diz ministro da Defesa

Raul Jungmann afirmou que Advocacia-Geral da União (AGU) realizará perícias dos "atos de vandalismo"

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que o governo irá acionar a Advocacia-Geral da União (AGU) para realizar perícias dos "atos de vandalismo" que ocorreram durante o protesto dessa quarta-feira na Esplanada dos Ministérios.

 

"O senhor presidente da República decidiu acionar a AGU para que sejam feitas perícias de todos os imóveis e Esplanadas onde ocorreram atos de vandalismo e barbárie para que seja feita justiça e respondam criminal e penalmente todos aqueles que realizaram estes atos inaceitáveis e incompatíveis com o regime democrático",

 

declarou Jungmann em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira.

 

Por causa da tamanha proporção que a manifestação na Esplanada dos Ministérios teve com incêndios e confrontos, o presidente Michel Temer autorizou a presença das Forças Armadas para conter os atos de vandalismo que aconteciam em vários pontos da região. Na manhã desta quinta-feira, ele revogou o decreto e dispensou os militares. Segundo Jungmann, após estes atos, o governo não vai tolerar desordem.

 

"A desordem não será tolerada. Não serão toleradas essas manifestações que descambem para o vandalismo e para a violência", declarou.

 

 

De acordo com ministro, o uso de Forças Armadas já havia ocorrido em outras situações no País para garantir segurança a população.

 

"De 2010 a 2017, foram realizadas 29 ações de Garantia da Lei e da Ordem na defesa de populações indefesas. Nunca aconteceram incidentes que viesse a manchar as Forças Armadas", relatou.

 

"A orientação dada por nós para o general Pereira Gomes, que comandou a operação, era que as Forças atuassem defensivamente e que em momento algum houvesse repressão e fosse cometida a força policial.

 

Nenhum confronto aconteceu entre manifestantes e as Forças Armadas", afirmou.

 

Devido as críticas sobre o uso das Forças Armadas, o ministro trouxe uma mensagem do presidente Michel Temer afirmando que o governo vai utilizar o que tiver dentro da constituição para garantir a segurança em Brasília.

 

"A ordem é balizar o essencial para a democracia e no que diz respeito as Forças Armadas, em síntese, poderia traduzir o seu pensamento da seguinte forma: dentro da constituição tudo, fora da constituição, nada", concluiu.  

BUSCA NO SITE

Um valor é necessário.