Notícias > Inter

09/12/2016
05:46

Procurador do STJD pede arquivamento de ação sobre inscrição de zagueiro do Vitória

O procurador do STJD, Glauber Guadalupe, pediu o arquivamento do processo que avaliava supostas irregularidades na inscrição do zagueiro do Vitória, Victor Ramos. A decisão foi tomada na tarde desta quinta-feira, mesmo depois de o Inter anexar documentos na tentativa de comprovar os problemas na transferência do jogador no começo da temporada. O jurídico do Colorado deverá recorrer da decisão.

 

 

As informações embasariam a irregularidade na inscrição do atleta – já questionada pelo Bahia, neste ano. O Inter pretendia “ratificar a gravidade, e comprovar a má-fé da conduta dolosamente praticada pelo Vitória”, que utilizou o jogador em 26 partidas do Brasileirão.

 

Na sua entrevista à Guaíba, o presidente do STJD, Ronaldo Piacente ressaltou que analisaria as provas do Inter, mas lembrou que o caso já havia sido analisado pelo STJD anteriormente. “Já existe uma decisão da Fifa, da CBF e do STJD dizendo que este jogador está regular”, afirmou, antes de receber as supostas provas enviadas pelo Inter.

 

Com isto, foram praticamente sepultadas as chances de o Inter ficar na primeira divisão em 2017 por meio da ação que envolve o zagueiro do Vitória, Victor Ramos. Dentro de campo, as possibilidades já eram reduzidíssimas, embora a rodada final do Brasileirão seja disputada neste domingo.

 

Guadalupe comunicou ao clube o arquivamento da reclamação dos advogados colorados sobre a, em tese, inscrição irregular do zagueiro do Vitória. Assim, o caso sequer irá a julgamento. O Inter, porém, promete recorrer da decisão.

 

“O STJD não possui competência para declarar a nulidade de uma transferência nacional, quiçá internacional e afastar a condição legal de jogo, salvo se houvesse determinação expressa não cumprida pelo órgão competente nesse sentido”, justifica a nota de infração nº 071/2016, assinada por Glauber Guadalupe e obtida pela reportagem nesta quinta-feira.

 

“A decisão reflete apenas um lamentável equívoco jurídico contra um direito do Inter calcado em provas”, lamentou o vice-presidente de assuntos jurídicos do Inter, Giovani Gazen, por mensagem. “Não se ampararam nas provas cabais de má-fé do Vitória, que sequer foram analisadas”, continuou.

 

Nesta sexta, o clube deve emitir uma nota oficial e divulgar os próximos passos. Gazen já assegurou que o clube recorrerá, sem precisar o caminho. Em tese, pode solicitar que o processo seja encaminhado ao procurador geral do STJD, Felipe Bevilacqua, o que  é visto com poucas chances de sucesso. Outra opção seria buscar uma mediação da Fifa.

 

Qualquer uma das alternativas, entretanto, arrastará o assunto por semanas, talvez por meses. E aumentará o tormento dos colorados já supliciados em demasia ao longo de 2016.


Fonte: Correio do Povo

BUSCA NO SITE

Um valor é necessário.