Notícias > Geral

06/08/2015
09:48

River Plate goleia Tigres e é tricampeão da Libertadores

Foto: Juan Mabromata / AFP

Pior time da primeira fase, classificado às quartas de final depois de o rival ser eliminado nos tribunais, há pouco tempo na segunda divisão. E, junto a tudo isso, campeão da Libertadores da América 2015. É o improvável River Plate, que cresceu ao longo do torneio, terminando com a sonhada taça de campeão após vencer o Tigres por 3 a 0 na noite desta quarta-feira, no Monumental de Núñez, em Buenos Aires. 

 

Cinco cartões amarelos e um gol 

 

Como era esperado, o jogo começou pegado. Com lances ríspidos em ambos os lados, não foi de se surpreender os cinco cartões amarelos distribuídos pela arbitragem ao longo do primeiro tempo – boa parte ainda no início do jogo. A maioria, quatro das advertências, foi para jogadores do Tigres, que não se intimidaram em devolver as gentilezas dos donos da casa. 

 

Com uma massa em vermelho e branco a seu favor, o River tentou partir para cima desde o apito inicial. Porém, faltou combinar com a defesa mexicana, que se mostrou intransponível em um primeiro momento. Pouco a pouco, então, o Tigres foi mostrando as suas garras, que só não deixaram marcas fortes, porque a marcação conseguiu o toque decisivo, como aos 22, quando Aquino deixou três marcadores na saudade e rolou para Arévalo Ríos encher o pé. A bola ia para o gol, mas algum pé de zagueiro salvador desviou. 

 

Logo em seguida, Damm tentou pelo outro lado e acionou o Gignac. O francês, que infernizou a vida do Inter na semifinal, não conseguiu o domínio quase na marca penal, para alívio dos Millionarios. Aos 32 foi Rafael Sobis que desperdiçou, isolando um chute no qual teve a calma para dominar na intermediária. 

 

Só depois deste lance que a marcação do River voltou a encaixar, aliviando para a defesa e levando os argentinos de volta ao ataque. Só que, novamente, apesar da presença, não havia chances criadas. Em sequência depois dos 40 minutos, Ponzio e Sanchez levantaram na área mexicana. A defesa levou a melhor nas duas. Contudo, aos 44, não deu: Vangioni fintou dois marcadores na intermediária e levantou para Alario, certeiro, cabecear forte para o fundo das redes.

 

River desequilibra e goleia 

 

A reação inicial do Tigres após o gol sofrido no fim do primeiro tempo foi nula. E o River manteve a batida: sem construir novas oportunidades, mas mantendo-se sempre por perto da área de Guzman. Apesar da queda de emoção em chances, os carrinhos – e a tensão – seguiram, dando trabalho à arbitragem. 

 

Praticamente na única boa e real chance de empatar, Damm deixou a defesa portenha para trás aos 22 e cruzou na cabeça de Aquino. Ele, porém, pegou mal e a bola se perdeu pela linha de fundo. Fez falta, porque logo depois o jogo virou passeio. Aos 29, Sanchez foi derrubado por Aquino na área. Pênalti. O próprio atacante bateu na gaveta e colocou a segunda mão do River na taça. 

 

Atordoado, o Tigres ainda sofreu mais logo depois, aos 33. Funes Mori subiu sozinho na cobrança de escanteio e cabeceou para o fundo das redes. A partir daí virou contagem regressiva para uma improvável festa do River, que ironicamente só se classificou ao mata-mata por causa de uma goleada do Tigres – que lhe deu vantagem no saldo de gols, ainda na primeira fase. Futebol, afinal, não tem lógica, e o pior time da primeira fase da Libertadores é o mais novo campeão da América. 


Fonte: CP

BUSCA NO SITE

Um valor é necessário.