Notícias > Geral

19/06/2019
05:00

Meteoro visto no dia 6 de junho deixou fragmentos no solo do RS

Os fenômenos vistos no céu em várias cidades do Rio Grande do Sul, incluindo Panambi, na noite do dia 6 de junho, foram causados por um meteoro de aproximadamente 3 toneladas, conforme estudos de pesquisadores da Brazilian Meteor Observation Network (Bramon). A instituição ainda relatou que cerca de 10% dessa massa resistiu à passagem atmosférica e atingiu o solo entre os municípios de Jari e Santa Maria, na Região Central do Rio Grande do Sul.

 

No mapa acima é possível ver a área de dispersão dos meteoritos, conforme os estudos dos especialistas. A área mais avermelhada indica onde podem ser localizados os maiores fragmentos. Na área amarelada, podem ser localizados os menores fragmentos, mas estes devem ser mais numerosos.


Segundo o pós-doutor em Engenharia e diretor científico da Bramon, professor Carlos Fernando Jung, quando o objeto está em órbita é um meteoroide, quando ele entra na atmosfera e inicia a queima é chamado de meteoro, e quando chega ao solo e pode ser tocado se denomina meteorito.“O bólido foi muito mais longo e duradouro, iniciando sua visibilidade a 104 km de altitude, ainda sobre o Paraguai. Durante 27,5 segundos, ele cruzou 393 km de atmosfera passando pela Argentina e cruzando o Noroeste Gaúcho a cerca de 14,3 km/s (51,6 mil Km/h) até desaparecer a 27,4 km de altitude sobre a zona rural do município de Jari, no Rio Grande do Sul”, relata o diretor técnico da Bramon, Marcelo Zurita, no site da instituição.

 

Como fragmentos da rocha espacial resistiu à passagem atmosférica e chegaram ao solo, os especialistas acreditam que meteoritos caíram desde a zona rural de Jari até as imediações de Santa Maria.

 

“Os meteoritos têm grande valor para a ciência, pois podem trazer consigo informações importantes para explicar o processo de formação do sistema solar ou até mesmo do surgimento da vida na Terra”, informa Zurita.

 

Conforme a Bramon, devido à sua altíssima velocidade, o meteoroide enfrenta uma enorme resistência atmosférica, e com isso, geralmente se parte em inúmeros fragmentos de vários tamanhos.

 

“Os fragmentos menores perdem rapidamente a velocidade e estão mais sujeitos aos ventos das várias camadas atmosféricas. Já os fragmentos maiores têm mais inércia e, com isso, sofrem menos desvios pelos ventos e tendem a seguir uma trajetória aproximadamente parabólica até o solo”, acrescenta Zurita.

 

Segundo os especialistas, além de grande valor para a ciência, os meteoritos têm também valor comercial. Museus, colecionadores e cientistas do mundo todo pagam bons valores para ter um pedacinho de rocha espacial para seus estudos científicos ou apenas para enriquecer sua coleção.

 

A Bramon informou que, geralmente, meteoritos oriundos de uma queda recente têm valor entre US$ 5 e US$ 10 por grama. Mas o valor pode aumentar ou diminuir dependendo do tipo de meteorito e da quantidade encontrada.

 

“Isto vai ocasionar a vinda de pessoas de vários países para efetuar a busca. Tanto virão cientistas, quanto comerciantes de meteoritos para tentar recuperar os fragmentos”, afirma Jung.

 


Fonte: G1/RS

BUSCA NO SITE

Um valor é necessário.

Tel: (55) 3332-7744