Notícias > Política

23/07/2018
06:11

PSL oficializa candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência

O Partido Social Liberal (PSL) oficializou neste domingo a candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro à Presidência da República, em convenção nacional, no Rio de Janeiro, em meio a indefinições sobre o nome escolhido para compor a chapa no cargo de vice. Em seu discurso, Bolsonaro disse que não é o salvador da pátria e que sabe que está causando desconforto nas eleições 2018.

 

"Sou o patinho feio dessa história", afirmou. Ovacionado sob gritos de "Mito!" e "Eu vim de graça!", Bolsonaro discorreu sobre sua trajetória profissional.

 

Ele também criticou novamente, como outros pré-candidatos à Presidência, o acordo de Geraldo Alckmin (PSDB) com o Centrão. "Alckmin uniu a escória da política brasileira", disse em alusão à aliança que rendeu ao tucano o maior tempo de TV entre os presidenciáveis. "O Brasil não aguenta mais 4 anos de PT ou PSDB. Vamos unir esse Brasil, brancos e negros, homos e héteros, nordestinos e sulistas, ricos e pobres, patrões e empregados", disse.

 

O evento, que começou no fim da manhã, reúne partidários do presidenciável num centro de convenções na região central da cidade. A estimativa é de 2,5 mil pessoas. Jair Bolsonaro se emocionou com a recepção calorosa de seus partidários e chorou quando foi executado o hino brasileiro. Muitos apoiadores tinham as cores verde e amarela e estavam com bandeiras do Brasil.

 

Cotada como possível vice, a advogada Janaína Paschoal foi a segunda pessoa mais aplaudida em sua chegada à convenção. Ela discursou pedindo moderação e tolerância, criticou a defesa de um pensamento único e afirmou ser necessário pensar na governabilidade. "A minha fidelidade não é ao deputado Jair Bolsonaro. A minha fidelidade é ao meu País", disse.

 

"Ainda não decidi sobre o convite para a integrar a chapa como vice", afirmou. "A possibilidade muito me honra. Mas algo tão sério precisa ser bem discutido", afirmou. Segundo ela, é preciso pensar na campanha, mas também na governabilidade caso saiam vitoriosos do leito.

 

"Enquanto procuramos pessoas que estejam dentro da totalidade do nosso pensamento, eles estão se unindo", alertou. O senador Magno Malta, que também já teve o nome cotado para figurar como vice na chapa de Bolsonaro, discursou em apoio ao presidenciável. Malta preferiu se candidatar novamente ao Senado do que concorrer na chapa com o PSL.

 

"O que o Brasil quer e o que eu quero é um homem de mãos limpas, e você tem mãos limpas. E um homem cristão, você é cristão. O Brasil quer um homem que tem sangue no olho para enfrentar vagabundo", disse Malta a Jair Bolsonaro.

 

Na convenção, também serão oficializadas as candidaturas do filho mais velho do presidenciável, Flávio Bolsonaro, que tentará eleição como senador, e demais escolhidos pelo partido para concorrer aos cargos de deputado estadual e federal pelo Rio de Janeiro.

 

Apesar de afirmar que seu programa de governo não está concluído, Bolsonaro adiantou que quer excluir o das Cidades e fundir pastas como Fazenda e Planejamento, assim como Agricultura e Meio Ambiente.

 

O candidato prometeu ainda, se eleito for, privatizar estatais. Também não adiantou nomes, mas garantiu enxugar a Petrobras, que segundo ele "tem muitos braços". Também afastou qualquer possibilidade de ocupação política em cargos executivos nos Bancos Central, do Brasil e Caixa Econômica Federal. 


Fonte: Correio do Povo

BUSCA NO SITE

Um valor é necessário.